Make your own free website on Tripod.com

www.robledocosta.com.br

QUEM É CIDADÃO EM ATENAS?

HOME
CURRÍCULO
PROJETO VIOLÊNCIA E TRAGÉDIA NO RJ (Destaque na Mídia)
PROJETO PUC MINAS (Educação, Meio Ambiente e Cidadania)
PROJETO GALERA DE ATITUDE (Programa da TVE-RS)
PROJETO HISTORIADOR POR UM DIA (Arquivo Público do RS)
PROJETO EU, PORTO ALEGRE (Usina do Gasômetro)
PROJETO MUSEU DA PESSOA (Toda Escola Tem História Para Contar)
PROJETO ÚLTIMOS DIAS DE SUPER-HERÓI (Fundação Vida Urgente)
CURTA-METRAGEM NA ESCOLA (Porta Curtas)
HISTÓRIA (Textos)
LITERATURA NA AULA (Poemas)
MÚSICAS (Sugestões de Estudo)
FILMES (Análise Histórica)
LINKS
GALERIA DE FOTOS
CONTATO

Durante milhares de anos, a cidade foi o domínio do rei, e seus habitantes, súditos dele. Os gregos foram os primeiros a transferir o poder aos cidadãos. Os atenienses, por exemplo, orgulhavam-se de seu "direito de cidade" e o consagraram à sábia deusa Atena.

Zeus, o deus dos deuses, havia engolido sua primeira esposa Métis, a deusa da prudência, quando ela estava grávida. Meses depois, sentindo fortes dores de cabeça, ordenou a Hefestos, o deus ferreiro, que lhe abrisse o crânio com um machado. Feito isso, a deusa Atena saiu da cabeça de Zeus, já adulta e armada com uma lança. Mal nasceu, ela soltou um grito de guerra tão forte que fez vibrar o céu e a terra.

Imediatamente, Atena colocou-se ao lado do pai, Zeus, na luta que ele travava contra os titãs, matando dois deles. Combateu depois na guerra de Tróia, ajudando os aqueus. Seus guerreiros favoritos eram Aquiles, Diomedes e Ulisses. Atena era guerreira, mas não sanguinária. Lutava por causas justas e agia só depois de muita reflexão; afinal, sua mãe era a prudência. Por isso era também a deusa da paz, da razão e da justiça. Protegia todas as atividades intelectuais, como a literatura, a música, as artes e a filosofia.

Um dia, ela soube que uma cidade recém-fundada na Ática buscava uma divindade protetora. Atena e Posêidon, o deus dos mares, colocaram-se à disposição. Para decidir a qual deles a cidade seria dedicada, pediu-se a cada um que oferecesse à população o presente que julgasse mais útil.

O musculoso deus Posêidon bateu seu tridente com força no chão pedregoso da cidade. Da fenda aberta saiu um belo cavalo e jorrou água límpida. A população ficou maravilhada: eram dois presentes realmente magníficos e importantes. Mas o cavalo era selvagem e ninguém conseguia se aproximar dele. A sábia Atena domou o cavalo, ensinando às pessoas que de nada serve a força física sem o controle da razão. Além disso, lembrou que o cavalo, embora muito útil, não se adequava a um país montanhoso como a Grécia. Mostrou, então, à população, o presente mais valioso e adequado à cidade: fez surgir da terra uma oliveira carregada de frutos. Seu óleo serviria de alimento e iluminação e poderia ser vendido a outros povos. Todos aplaudiram com entusiasmo. O ramo de oliveira tornou-se o símbolo da paz e da prosperidade.

Em homenagem à deusa, a cidade recebeu o nome de Atenas.

Atena deu, então, a seguinte mensagem ao seu povo:

 

“Ouvi, agora, o que estabeleço, cidadãos de Atenas. Nem anarquia, nem despotismo, esta é a norma que aconselho meus cidadãos a observarem com respeito”.

 

Foram necessários alguns séculos de história e diferentes experiências políticas para os atenienses compreenderem a mensagem da sábia deusa. E a lição foi proveitosa: foram eles os criadores da democracia.

RODRIGUE, Joelza Ester. História em documento: imagem e texto. São Paulo: FTD, 2001, p.p 166-167.

www.robledocosta.com.br - Todos os direitos reservados.